Vitiligo na infância

 Meu filho tem vitiligo! E agora?
É muito comum o vitiligo iniciar-se na infância. Em aproximadamente 25% dos casos os primeiros sinais de despigmentação iniciam-se antes dos 10 anos de idade, e em cerca de 50% antes dos 23 anos de idade. Menos de 10% dos casos aparecem após os 42 anos.

Comumente os pais se sentem culpados pelas doenças dos filhos, independentemente da doença. Isso é errado, não deve haver culpa e sim apoio para o melhor entendimento de como a criança se sente. Crianças pequenas geralmente não se incomodam com o vitiligo a não ser quando os adultos ficam perguntando e comentando sobre as manchas. Para elas não é um problema ir ao médico, mesmo assim converse com ela sobre a consulta e o que vai ser feito.Crianças maiores têm consciência da doença, já que os colegas da escola costumam comentar e fazer brincadeiras a respeito. Muitas vezes a criança não quer ir ao médico. Converse abertamente com seu filho a respeito do vitiligo, de como ele se sente e prepare-o para a consulta. Faça-o participar do tratamento ativamente, incentive-o a escrever suas próprias perguntas e a conversar com o médico.

Vitiligo na infância

Vitiligo na infância

Crianças costumam responder muito bem ao tratamento, mas não fale em cura ou tratamentos fáceis (vai tomar um comprimidinho ou passar um creminho e a cor vai voltar). Seja realista e deixe-o saber que a melhora depende dele também e que vai levar alguns meses ou até alguns anos, mas que você estará com ele em todos os momentos.

Infelizmente, apelidos são muito comuns entre as crianças, e as que têm qualquer característica diferente, como usar óculos, ter sardas, ser tímido ou ter vitiligo estão mais sujeitas às brincadeiras dos colegas. Ao invés de ignorar o que está acontecendo ou falar para seu filho não prestar atenção, irá ajudá-lo mais se vocês conversarem juntos sobre o problema. Seu filho vai perceber que você o entende e quer ajudar e, mais importante, que as mudanças na cor da pele não fazem qualquer diferença nos sentimentos que um tem pelo outro. Escute seu filho com atenção, dando espaço e tempo para ele trabalhar sua própria solução.

Uma boa idéia é conversar com a professora dele. Fazendo isso você pode ter certeza que ela entende o que é vitiligo e ela ficará feliz em ter a oportunidade de ensinar as crianças sobre as diferenças.

Para os adolescentes os problemas enfrentados costumam ser um pouco piores. Eles sofrem não apenas pelas brincadeiras e apelidos impostos pelos demais colegas, como também por ser um momento da vida em que afloram coisas como individualidade, vida em grupo e sexualidade.

Então estimule seu filho adolescente a ser parte ativa no tratamento e se ele quiser ir sozinho a consulta isso deve ser permitido. Muitas vezes o adolescente quer conversar assuntos pessoais com o médico e pode ficar inibido pela presença dos pais. Outro aspecto a ser observado é que a ansiedade dos pais por vezes não permite que o adolescente converse com o médico.

Encoraje seu filho em relação aos estudos e a formação do caráter e mostre que o vitiligo é algo a respeito dele e não tudo sobre ele. O adolescente quer se sentir atraente e parte de um grupo e o tratamento adequado, o apoio emocional e muitas vezes maquiagem corretiva e autobronzeadores irão ajudar bastante.

 




Baseado em: www.clinicadevitiligo.com.br 
loading...
loading...

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

8 Comentários

  1. Maria Eugenia M. disse:

    meu filho tem. No começo foi mais dificil p/ mim q p/ele.
    Eu tive q superar muitas coisas.

  2. Joana Maria disse:

    bacana vcs mostrarem sobre esse tema.
    é muito sofrido e triste por causa dos preconceitos.

  3. Lucia mendes disse:

    Fico tão triste qdo vejo uma criança doente.
    é dificil..

  4. Lidiane disse:

    Eu estava procurando algo sobre esse tema.
    Valeu

  5. disse:

    Tem cura?

  6. Junior Braga disse:

    Tadinho dos pequenos..

  7. Nêmesis disse:

    uma prima minha (moro na casa dela, alias mas ela nao mora aqui) tem vitiligo, e surgiu numa época q ela brigava mto na escola. qd pararam as brigas, o vitiligo estacionou. cansaram de falar pra ela q o fundo da doença é emocional…qd tem stress grande pode aumentar. esquisito, ne!

  8. Anonymous disse:

    Me ajudou muito tenho um adolescente com vitiligo, e não esta sendo facil nem para ele nem para mim, parece que a culpa e minha por ele estar com isso, faz dois meses que começou!!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
Importante Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso de cookies.